Fim de ano

Helena, todos os anos tenho escrito textos de sobrevivência, já falei do tempo fatiado, da Simone, do não superar nada, do morrer feito Belchior, esse ano chego ao período festivo meio perdida, sem uma tábua de salvação. Ansiosa, medrosa, pensando no dia de amanhã, no ano que chega, na vida que não se realiza nunca. Comprei uma passagem como se houvesse alguma esperança, ingênua, você  deve pensar, e eu bem sei que não há salvação nem lá e muito menos aqui. Mas cada passo me permite achar que não estou mais presa à minha sina, esse destino desgraçado que alguém com péssimo senso de humor traçou pra mim. Por isso sigo fazendo planos e escrevendo textos e buscando (apenas um sentido), já quis tanto, hoje já quero só a ilusão da presença. O vazio segue imenso, me afogando num oceano de uma história não realizada.  Continuo  só querendo uma chance, Helena.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s