Água

Sou terra, raiz e pés no chão carregando um oceano revolto que explode em ondas e se esconde em profundezas abissais. Da concretude e estabilidade da terra desse corpo duro e árido talhado em golpes de machado vertem cachoeiras de água: suo muito, choro muito, gozo muito. Liquefaço o que desejo, o que dói, o que me afeta. Mére, mar-mãe, sou terra-água, oceano em polvo de tentáculos enormes e onipresentes que ocupam todos os espaços, careço de vazios e espaços e brechas, tudo o que passa chega como brisa pela fresta da janela. Ou furacão e abismo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s