Mãe de mim

Nesse dia das mães eu quero falar sobre ser mãe: solteira, porque esse estigma eu carrego com orgulho, como carrego o de ser desquitada, de ser vadia, de ser livre. Mas também sobre ser mãe de mim mesma, porque antes de ser 100% responsável pelas minhas crias, tenho sido  100% responsável pela minha  própria sobrevivência desde sempre. Não é uma questão de dinheiro, ou não apenas, mas o fato de que essa solidão materna que hoje faz com que eu tenha que lidar sozinha com todos os aspectos da existência dos filhos  também passa por uma vida tendo que  lidar absolutamente sozinha com todos os aspectos da minha própria vida. É um sobreviver duro, árido, esse de não poder contar com ninguém a não ser consigo. Não ter um colo, um abraço, uma palavra de conforto. Hoje o desafio de ser a mãe que os meus filhos precisam esbarra na construção de ser a mãe que eu precisava e não tive. Se é preciso uma aldeia pra criar uma criança, o que é preciso pra criar uma mãe?
Então, sendo minha própria mãe, vou buscando formas outras de maternar e de existir.
Deixo hoje um abraço a todo mundo que tem que ser sua própria mãe e que a gente possa, cada vez mais, destruir essa violência toda que a gente chama de família e gestar modos outros de criar afetos e vínculos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s